COBOGÓ – A ORIGEM

Alessandra Roscoe

Ana Maria Lopes

Christiane Nóbrega

Claudine Duarte

Elisa de Mattos

Marcia Zarur

Foto Thaís Mallon

Solange Cianni

Hoje em alta, o cobogó foi criado em 1929, ano de grande crise, pelo comerciante português Amadeu Oliveira Coimbra, pelo alemão Ernst August Boeckmann e pelo engenheiro pernambucano Antônio de Góes em Recife, PE. As iniciais de seus sobrenomes formaram a deliciosa palavra COBOGÓ.

O cobogó foi uma solução para amenizar o calor nas casas pernambucanas e levantar paredes sem impedir a ventilação. Em Brasília, com sua arquitetura de vanguarda, o cobogó teve seu ápice. Encontrou espaço e virou símbolo.
Maria é um nome comum. Muitas vezes usado para denominar uma pessoa qualquer que não se conhece, uma “dona Maria”. Ao mesmo tempo é utilizado em várias línguas, sendo que alguns estudiosos atribuem sua origem ao nome hebraico מרים, traduzido como Miriam, que significa rebelião, como também pode ter surgido a partir de um nome egípcio derivado de mry (amada) ou mr (amor).

Maria e Cobogó. Mulheres comuns que em um encontro no Nordeste brasileiro, não em Pernambuco, mas na vizinha Paraíba, em João Pessoa, estreitaram laços, deram as mãos e de quão boa foi a experiência, decidiram que, aqui no cerrado, seguem juntas! Uma rebelião como movimento para dar espaço às palavras, ventilando todas letras possíveis e iluminando a amizade em forma de livros.

Maria Cobogó.

Uma confraria das palavras. Uma associação de amigas. Uma parceria de idéias. Mulheres que se unem para realizar.

www.mariacobogo.com.br