Filhos crescem.

Incomoda-me profundamente comentários de pais, mães e pessoas como um todo, que mencionam o desejo de que os filhos não cresçam:

-Que pena que crescem!

-Quero ver na adolescência!

Daria para escrever um tratado sobre isso, mas vou me ater à questão: filho é filho, para sempre, com 1 dia e com 70 anos.

E, não, não dá para pular a adolescência.

E qual o problema com a tal adolescência?

A adolescência é uma fase de profundos questionamentos. É uma fase dura, difícil para quem vive. A pessoa não é mais um bebê fofinho, nem uma criança engraçadinha, mas também não é um adulto livre e independente. Aí já vem o rótulo “aborrecentes”.

Como se não bastasse a crise “não sou criança nem adulto”, os picos hormonais e a absurda pressão de escolher o que você vai ser para sempre, o primeiro beijo… é muita coisa para alguém ainda em formação!

O fato é que o adolescente precisa do apoio e acompanhamento dos pais tanto quanto uma criança, claro que em padrões diferenciados. Se em casa ele encontra uma zona de eterno conflito, ele vai preferir estar onde o entendem e acolhem, mesmo que de modo inadequado. É natural.

Mas, o que fazer? Acolher, amar e, sobretudo, mostrar que compreende seus conflitos e dores. Nunca banalizar. Isso não significa ser permissivo, mas sim deixar claro que ele é amado exatamente como é e que esses conflitos tão significativos na sua formação, vão passar e com você ao lado. Mostrar que as regras da família não devem ser respeitadas porque “ele come do seu feijão”, mas sim porque é o melhor para ele e para família inteira e, assim, criar um ambiente acolhedor para todos.

Não dá para vincular amor com o sustento e com a maioridade. Minha mãe manda em mim até hoje! Todas são assim! Sim, porque regra e apoio é puro amor.

Quem não se lembra dessa fase? Do quanto era difícil não ser observada pelo mais bonito da escola ou não saber o que iria cursar na faculdade? E achar que iria morrer porque o namoro acabou? Ou achar que a vida acabou porque não pode ir aquele show ou festa? Até escolher uma roupa era pavoroso! Eu me lembro! E me lembro também de incríveis histórias e das amizades para vida toda que construí nessa fase.

E, assim, tento fazer meu melhor, focando nas delícias dessa fase e revivendo-as com ele de alguma forma e do mesmo modo não esquecendo as dores e junto com ele, superá-las.

Aborrecente aqui não! Aqui é filho, sempre filho.