Três filhos preferidos? Eu tenho

Bom, como é de público e notório conhecimento, tenho três filhos. Três filhos preferidos. Por que falar nisso? Conto. Sábado, aniversário de 81 anos do papai, eu descascando laranja e Greici, também mãe de três, cortando toucinho (sim, era feijoada). Já viu, né? Juntou mais de um familiar já se ouve o narrador anunciando:

“Casos de Família”- O tema do dia “Você tem um preferido” com a participação das irmãs Freitas Nóbrega. Quem tem filho preferido? Ambas negam ter. Ambas acusam a outra de ter.

Corta a imagem pra minha cozinha. Segue o babado.

O debate foi se acalorando e Elias põe uma faca peixeira na minha frente ao que eu pergunto sem entender:

– Que é isso? Vou cortar laranja com a faca de serra mesmo.

– Amor, a faca da Greici é maior, você está em desvantagem. – E o “método Elias nada ortodoxo para resolução do conflito” deu certo. Mudamos de assunto certas de que a outra tem sim um filho preferido.

E agora? Que critério usar pra provar minha hipótese de que não tenho? Hum…Falar dos três e da minha relação com eles. Ótimo. Começando por qual? Ordem cronológica. Não, não. Melhor alfabética. Tanto faz, seria a mesma ordem, a lista coincide. Então, vamos lá.

Bruno, 21 anos. Amor, muito amor. Nasceu aquela coisinha diferente, sim, não conhecemos a cara dos nossos filhos, nascem completos estranhos. Ao ouvir seu choro algo nasceu em mim. Chorei de emoção. Que lindeza de sensação! Depois os sorrisos, as noites sem dormir, os primeiros passinhos, aprendendo a ler, as tiradas superengraçadas e inteligentes. Detestava dever de casa. Criança mais calma do planeta. Meu primogênito! Por ele aprendi a ser mãe. Mas uma coisa é fato, filho mais velho sofre.

Maria Elisa, 10 anos. Achei que não a amaria como amava o Bruno, tive medo. Amor, muito amor. Nasceu aquela coisinha que já sabia que ia ser diferente. Aí ouvi seu choro e algo nasceu em mim e descobri naquele dia que a cada filho eu ganharia um novo coração exclusivo e, assim, não seria possível amar mais ou menos. Chorei de emoção. Que lindeza de sensação! Depois os sorrisos, as noites sem dormir, os primeiros passinhos, aprendendo a ler, as tiradas superengraçadas e inteligentes. Adora dever de casa. Assiste TV dando cambalhotas. Minha filha mulher! Por ela aprendi a ser mãe. Mas uma coisa é fato, filha mulher sofre.

Samuel, 4 anos. Sabia que o amaria como amava o Bruno, como amava Maria. Nasceu aquela coisinha que já sabia que ia ser diferente. Aí ouvi seu choro e algo nasceu em mim e já sabia que a cada filho eu ganharia um novo coração exclusivo e, assim, não seria possível amar mais ou menos. Chorei de emoção. Que lindeza de sensação! Depois os sorrisos, as noites sem dormir, os primeiros passinhos, aprendendo a ler, as tiradas superengraçadas e inteligentes. Ainda não sei se vai adorar ou detestar dever de casa. Assiste TV correndo e pulando. Tem professora e tá superando a mestra. Meu caçula! Por ele aprendi ser mãe. Mas uma coisa é fato, filho caçula sofre.

Relatos prontos, voltemos ao preferido.

Feito os dedos das mãos, eles e ela são bem diferentes e bem iguais também. Diferentes não se ama da mesma forma. Mas sim, é possível amar a cada um com absolutamente a mesma intensidade. Pra cada um, um coração inteiro. E, assim, posso concluir com “evidências científicas irrefutáveis” (em homenagem à Daíse) que Bruno é meu filho mais velho preferido, Maria Elisa é minha filha preferida e Samuel é meu caçula preferido. E tenho dito!